Tags

, , , , , , , ,

Check-Up (Raul Seixas)
Acabei de dar um check-up na situação
O que me levou a reler “Alice no País das Maravilhas”…
Já chupei a “Laranja Mecânica” e lhe digo mais
Plantei a casca na minha cabeça
Acabei de tomar meu Diempax
Meu Valium 10 e outras Pílulas mais
Duas horas da manhã
Recebo nos peito
Um Triptanol 25
E vou dormir quase em paz
E a chuva promete
Não deixar vestígio…

Nós brasileiros temos um hábito extremamente indesejável no que se refere a cuidados com a saúde, e frequentemente pagamos muito caro por tê-lo: só ir ao médico quando sentimos dor.

CONFIAR NA DOR
A dor é uma coisa ruim, mas é uma coisa boa ao mesmo tempo. Toda vez que a sentimos sabemos que ‘há algo de podre no reino da Dinamarca’ e vamos correndo ver o ‘dotô’ pra saber do que se trata.
O problema é que a dor, boa ou ruim, nem sempre é eficiente. Às vezes quando ela chega o ‘podre’ já está por demais podre, e o reino da Dinamarca já não tem salvação.
As piores doenças são aquelas ‘silenciosas’ que se desenvolvem lentamente ao longo de anos e anos e quando sentimos seus efeitos é muito difícil, senão impossível, revertê-los.

MEDICINA PREVENTIVA
Se você quiser mesmo preservar a supremacia da Dinamarca (já percebeu que ‘Dinamarca’ é analogia para o seu corpo, não é?) a melhor coisa é visitar uma série de especialistas pelo menos uma vez por ano. O site Saúde em movimento sugere uma lista de médicos a consultar de acordo com o seu sexo e idade.
Se não encontrar nenhum problema: Parabéns! Se tiver alguma coisa, talvez você tenha até de fazer um tratamento e/ou passar frequentar determinado especialista, o que ainda é nelhor que descobrir tarde demais.

E TU, MP?
Eu confesso que também cultivei o hábito de só visitar o ‘dotô’ quando o circo pega fogo, mas está na hora disso mudar.
Eu nunca estive tão fora de forma em minha vida, mas minhas tentativas de retomar as boas e velhas caminhadas têm desencadeado outros problemas, chegou a hora de fazer a coisa certa: procurar orientação médica.
Visitei uma cardiologista recentemente, e ela não só pediu uma bateria de exames como me encaminhou para uma nutricionista.

Onde isso vai levar?
Saberemos nos próximos episódios…

Advertisements