Tags

, , , , , , , , ,

Tenho a impressão que quando eu era criança as aberturas dos programas brasileiros eram bem melhores. Posso estar errado, mas acho que as músicas eram bem mais marcantes, tanto que lembro de algumas delas mesmo já tendo esquecido quase que totalmente do programa em si.

Outro dia estava procurando no Youtube por um programa desses, um desenho do Rei Arthur da qual eu não lembrava mais nada, apenas da música da abertura, que nunca saiu de minha cabeça. Foi aí que eu descobri o canal de seu autor, o artista paulista  Mário Lúcio de Freitas.

Mário Lúcio é uma daquelas pessoas multitarefa. Foi artista circense, ator, apresentador, músico, produtor musical, dublador, tradutor, diretor de dublagem e publicitário, entre outros. Seus trabalhos mais lembrados  são de seus tempos no SBT e de seu estúdio, o Gota Mágica.

Aqui vão alguns exemplos de seu trabalho, captados em seu canal do Youtube:

REI ARTHUR foi um dos primeiros desenhos da qual fui fã. Extremamente violento, se fosse hoje em dia ia gerar muita polêmica:

Eu, de fato, assistia a novela JERÔNIMO quando era criança. Não lembro mais de nenhuma cena, mas esse refrão nunca esqueci:

Outro que deixou saudades foi FLY, o pequeno guerreiro. Mais uma abertura inesquecível. Pena que a série foi cancelada sem concluir a história.

Sim, a música do CHAVES também de autoria dele. As aberturas, em si, mudaram várias vezes, mas a música sempre foi a mesma:

SUPER CAMPEÔES, esse é um desenho que eu nem gostava muito, mas a abertura, mais uma vez, ficou grudada em minha memória:

Eu nunca esqueci a primeira abertura dos CAVALEIROS DO ZODÍACO, mesmo tendo durado pouco tempo:

Esta foi apenas uma pequena parte do acervo de Mário Lúcio de Freitas. Seu canal do Youtube guarda muitas surpresas: aberturas de desenhos, novelas e programas jornalísticos, propagandas; vinhetas, comerciais e músicas de novela. E tudo isso é possível baixar em seu site com melhor qualidade.

Clique aqui para ver mais vídeos no Youtube.
Clique aqui  para o site pessoal de Mario Lucio de Freitas.